UOL Bate-papo

7.825 salas abertas pessoas online 391.250 lugares

Bate-papo com convidados

BATE-PAPO COM Emerson Fittipaldi - 14/10/2008 às 17h00

Bicampeão de F1 conversa sobre a primeira edição do Salão da Motocicleta, que acontece entre 21 e 26 de outubro em São Paulo. O evento organizado por Fittipaldi, em parceria com a Megacycle e a Anfamoto, reúne as principais novidades do segmento de motos. O evento traz como as atrações paralelas para o público que incluem exposição de motocicletas de competição, workshops, palestras, cursos de pilotagem e desfiles.

  • Tudo sobre motos
  • Notícias sobre Fórmula 1 em UOL Esporte
  • Assista ao vídeo da conversa na íntegra:

  • Participaram do Bate-papo 1319 pessoas


    (05:17:34) Emerson Fittipaldi: É um prazer estar aqui com vocês...

    (05:19:36) Emerson Fittipaldi: Sobre o Salão da Motocicleta: Vamos para o quinto ano do Salão do Acessório com o meu sócio Alberto Pellegrini. Ele está há quase 20 anos organizando o Megacycle, o maior evento de motociclistas no Brasil. Ele já tem esta experiência de evento de motocicletas. E eu estou voltando às minhas origens, pois corri por dois anos com motocicleta aqui em Interlagos. Obviamente quem gosta de automóvel gosta de motocicleta, ainda mais as de alta performance. Acompanho muito o Moto GP, aliás, admiro mais os pilotos de Moto GP do que os pilotos da F1 porque nós temos quatro rodas e eles só têm duas.

    (05:16:36) lala: boa tarde, emerson! conhecemos vc das pistas de F1. queria saber como começou a sua paixão pelas motos e como, pq resolveu organizar o evento?

    (05:21:12) Emerson Fittipaldi: lala, quando tinha 14 anos eu era muito amigo do Adu Celso, o primeiro brasileiro campeão de Moto GP fora do Brasil. Eu corri com uma motocicleta emprestada dele, só que eu parei e ele continuou. Eu tinha um acordo com a minha família de correr com motor até 50 e 60, o motor menor que tem e que já andava rápido em Interlagos. E eu corri em uma motocicleta 175 cc fabricada no Brasil na época que era muito rápida. Eu tinha 16 anos e quando cheguei em casa a minha mãe descobriu me trancou na copa e me deu muita vassourada. Eu fiquei sem motocicleta, sem motociclismo, mas fiquei com kartismo e na mesma época eu estava correndo de barco também. Quando completei 18 anos comecei corrida de automóvel.

    (05:16:47) juliano: olá... primeiramente é uma prazer... mas diz ai ! como surgiu essa ideia do salao da motocicleta ?

    (05:22:08) Emerson Fittipaldi: juliano, veio do sucesso que tivemos com o Salão do Acessório. E o Alberto esteve com o Salão em Milão no ano passado, um dos maiores do mundo, e voltou entusiasmado com esta idéia de fazer o salão da motocicleta aqui.

    (05:17:34) Emerson Fittipaldi: Quase todas as motocicletas mais lindas do mundo estarão no Salão da Motocicleta. As motocicletas especiais e obviamente as motocicletas de lazer, de alta performance, de alta cilindrada do tipo Triumph, Harley-Davidson, Ducati. Também a MV Agusta, daquela série do Airton Senna. A grande novidade será a moto GP Ducati com que o Casey Stoner ganhou o campeonato mundial em 2007. Também a campeã mundial da Superbike da Ducati. As duas virão diretamente da Itália para o Salão da Motocicleta.

    (05:16:37) Juno: Emersom o que voce acha sobre o caso de Hélio Castro Neves

    (05:17:34) Emerson Fittipaldi: É lamentável...

    (05:19:59) dico: é verdade que os pilotos tem que entregar as vitórias por vontade dos chefes de equipe???

    (05:19:59) dico: isso não é falta de profissionalismo??

    (05:24:34) Emerson Fittipaldi: dico, sempre existiu no mundo da F1 um trabalho de equipe. Mas até determinado ponto, quando se tem o campeonato do mundo disputando mais pontos que o companheiro de equipe, eu não diria que é normal, mas pode acontecer. Mas é difícil tirar isso. A FIA tentou criar um regulamento que não seja uma coisa descarada, mas como se vai controlar, um sempre tenta ajudar o outro, senão seria uma equipe com um carro só.

    (05:24:13) Antonio: qua sua opnião sobre a F-1 atual?

    (05:26:35) Emerson Fittipaldi: Antonio, a F1 atual é muito polêmica porque os custos estão muito caros, os carros estão muito desequilibrados. Tem equipes que andam muito lentas e outras que andam muito rápidas. Tem que equilibrar mais a categoria. Ter um carro com menos eletrônica. Fazer mais como é a fórmula A1. A categoria que eu tenho a equipe Brasil com um motor Ferrari novo de 650 cavalos, um super motor. A Ferrari fez um projeto especial para nós. E todos os países têm o mesmo carro, as mesmas condições técnicas. Então pegando um país que tem menos experiência, como o Paquistão. Seu carro está correndo com a gente e ele é igual ao do Brasil, da França e da Inglaterra. Ele tem o mesmo equipamento e pode competir em igualdade com a gente. Dependerá a regulagem do carro, do engenheiro da equipe e principalmente do piloto de lá. Assim eu vejo o futuro da Fórmula 1. Indo para um equilíbrio muito maior e com um custo menor. Assim as disputas ficarão mais acirradas e o show para o público será melhor. Assim o talento do piloto aparecerá na hora, isto é muito importante e é o que todos querem ver.

    (05:24:13) gljamil: Na sua época o piloto predominava na F1 junto com a tecnologia do carro e menos a equipe (certo?). Hoje, como vê essa composição para o sucesso? O piloto manda menos?

    (05:28:23) Emerson Fittipaldi: gljamil, o percentual no resultado da corrida, do piloto é muito menor que antes, mas na hora que larga o grande prêmio quem está no cockpitt sozinho é o piloto. Ele pode fazer ganhar ou perder o grande prêmio. A adrenalina do piloto naquela hora está acima do limite e às vezes ele não consegue controlar este seu limite. O piloto ainda é importante na hora que larga o grande prêmio, mas não na hora de acertar o carro, testar, desenvolver e dar informação para a equipe, pois hoje tem o mundo eletrônico dando toda esta informação.

    (05:24:46) LUAN: vc acha que o felipe massa pode ganhar ainda ?

    (05:24:52) fernando: quem vc acha que vence esse ano na f1? Massa tem chances?

    (05:31:37) Emerson Fittipaldi: Luan e fernando, melhorou muito depois da corrida do Japão onde todos viram como o Hamilton está afobado. A confusão na primeira curva atrapalhou todo mundo na largada, inclusive o próprio Felipe . O Felipe agora estará dentro de um objetivo que é melhor vir de trás cara ganhar, pois se tem menos pressão do que quem vem na frente. Psicologicamente o Felipe estará mais tranquilo do que o Hamilton. Ele terá grandes chances, mas em corridas pode acontecer. O Fangio dizia que carreiras são carreiras, até a bandeirada de chegada ninguém sabe o que pode acontecer. Por isso é emocionante, ninguém sabe o que pode acontecer.

    (05:24:17) Junior: Emerson, um prazer estar aqui contigo. Essa semana saíram rumores sobre a ida de Rubens Barrichello para a Champ Car na equipe Penske...Você, como um ex-piloto da Penske, acha que o Rubinho estaria pronto pra trocar a F1 pela Champ Car?

    (05:32:31) Emerson Fittipaldi: Junior, com a experiência e talento do Rubinho ele se adaptaria muito bem nos circuitos mistos. Nos ovais ele precisaria ter uma fase de adaptação, mas tenho certeza de que ele iria superar. A equipe Penske na minha opinião é a melhor do mundo de indy car. Corri sete temporadas com a Penske por oito anos. E ele tem motivação, porque eu perguntei a ele há dois meses se ele ainda tinha vontade de acelerar, se tinha paixão pelo automobilismo, ele disse que tem. Então tem que continuar. Este é um esporte que tem que ter muita vontade e muita paixão.

    (05:24:21) Tito: Olá, gostaria de saber se o pessoal da OCC (Orange County Choppers) vão estar nesse salão com suas motos, o que acha do estilo das mesmas?

    (05:34:46) Emerson Fittipaldi: Tito, me falaram que a dele iria estar, mas se não tiver terá iguais as deles e todo tipo de motocicletas no salão.

    (05:17:34) Emerson Fittipaldi: Convido a todos para participar no domingo às dez da manhã de um passeio motociclístico saindo da Praça do Estado no Pacaembu em prol da segurança da motocicleta e do motociclista aqui no Brasil. Tanto motocicletas de lazer de alta cilindradas até os motoboys. Porque realmente temos que ter uma consciência de segurança muito maior no Brasil. Porque até o ano de 2015 teremos mais de 20 milhões de motocicletas convivendo com pedestre, com carros, com as ruas e com outras motocicletas. Então vamos ter que aprender e saber a responsabilidade de pilotar uma motocicleta. Por exemplo, o motoboy hoje arrisca a vida para chegar cinco minutos mais cedo a um lugar, arrisca o seu trabalho, arrisca ficar ferido por muitos meses. O trabalho deles está ligado com a rapidez, mas por causa de quatro ou cinco minutos podem perder a vida e a vida é uma só.

    (05:27:28) no_nick: Vc considera F1 esporte?

    (05:36:43) Emerson Fittipaldi: no_nick, é fantástico pilotar um Fórmula 1, o conteúdo do esporte que existe na F1, a sensação que o piloto sente é isso. A competição entre os carros é o esporte. Só que existe um envolvimento político muito grande. E a integridade do esporte deveria ser mais na pista e mais no resultado. Por exemplo, estão punindo demais os pilotos. Se a qualquer ultrapassagem o cara for penalizado ele não vai mais fazer isso. Então está havendo um exagero político dentro panorama da F1. Mas é um esporte fantástico, o máximo.

    (05:36:58) Moderadora/UOL:

    Piloto Emerson Fittipaldi conversa sobre a primeira edição do Salão da Motocicleta (crédito: Priscila Gomes/UOL)

    (05:27:28) jota: ola emerson, vi que vc estara inaugurando o salao da moto, pergunto: vc acredita que pode disciplinar os famosos motoboys?

    (05:38:45) Emerson Fittipaldi: jota, não eu, mas o movimento de criar uma conscientização de que uma motocicleta é perigosa. São tantos acidentes que quem está perdendo são os motoboys, eles têm que estar conscientes de que a motocicleta é uma arma e tem que saber usá-la. Vamos dar um passeio para conscientizar isso. A motocicleta também é um lazer. Eles têm que ter uma consciência e tem que haver um esforço muito grande da sociedade e do governo. A população de carros e motos está crescendo muito no Brasil.

    (05:27:33) moreira: para efeito didático sua primeira vitória foi em 70 , ou seu primeiro título foi naquele ano?

    (05:39:02) Emerson Fittipaldi: moreira, a primeira vitória foi no GP dos EUA em Watkins Glen em 1970 pilotando uma Lotus e o primeiro título foi com a Lotus em 1972.

    (05:27:38) Chico: oi emerson, qual o titulo mais dificil que vc conquistou?

    (05:40:44) Emerson Fittipaldi: Chico, foi o primeiro campeonato do mundo. Eu era muito jovem e tinha muita pressão. A corrida mais difícil que ganhei foi primeira 500 milhas de Indianápolis.

    (05:41:13) Emerson Fittipaldi: A tomada de decisão é uma reação quase intuitiva, perceptiva, tem que ser muito rápida e certa. É duro acertar todas às vezes, eu já errei muitas vezes.

    (05:27:47) kadika: Boa tarde Emerson, o que vc acha que vai acontecer com o mercado de motos, agora com a crise?

    (05:42:04) Emerson Fittipaldi: kadika, não só no mercado das motos, mas no mundo em geral tem esse efeito psicológico grande. Tem o efeito da crise financeira que vai começar a recuperar. Com o tempo irá voltar tudo ao normal. Obviamente que o mercado de motos irá ser afetado. Mas o Brasil tem uma coisa que os outros países não têm, ele tem muita energia e alimentos, está em uma posição muito especial em relação ao resto do mundo.

    (05:27:47) douglas: emerson , hoje em dia o favorecimento das grades equipes diminuen os das outras equipes na formula 1

    (05:44:04) Emerson Fittipaldi: douglas, diminui sim. Realmente existe um desequilíbrio financeiro e técnico. Hoje o valor para uma equipe de F1 chegar a um nível competitível é maior do que US$ 500 milhões para dois carros. Uma equipe de menos porte tem que operar com uma verba de até 90 milhões, bem menor que as outras. Então depende muito do tamanho da equipe, do investimento destas para melhorar a cada grande prêmio. As equipes grandes trabalham com testes durante 24 horas no mundo inteiro. Eles têm túneis de ventos ao redor do mundo e isto custa uma fortuna. O ganho aerodinâmico hoje em dia é muito importante. É uma fortuna o que se gasta com isso hoje em dia com a pesquisa em aerodinâmica.

    (05:28:43) lala: ha pouco foi lancado um livro belissimo sobre a reconstrucao do fitt. gostaria de saber pouco mais sobre esse projeto

    (05:45:51) Emerson Fittipaldi: lala, foi um projeto que aconteceu há 30 anos de fazer um Fórmula 1 brasileiro. Foi muito mal entendido na época pela imprensa brasileira. Durante os quatro anos que pilotei o melhor resultado foi em 1978 em que eu tive o melhor resultado chegando em segundo. Eu tive mais pontos com um carro só do que a McLaren e a Ferrari. Nesta época nós tínhamos um potencial humano muito bom. Faltou suporte de patrocínio brasileiro a partir de 1980 quando eu tinha todos os elementos humanos no lugar certo.

    (05:28:48) Junior: Como vc avalia o desempenho de Nelsinho Piquet esse ano? Mostrou tudo que poderia, ou não teve muita oportunidade pra isso? Tem chances dele ficar na Renault?

    (05:47:44) Emerson Fittipaldi: Junior, sou muito fã do Nelsinho. O acompanho desde que ele corria de kart, ele tem muito talento. É muito pressionado pelo nome. E ele pegou um ano difícil, a Renault é um carro difícil. Ele teve muitas corridas que mostrou que anda rápido, na hora que a poeira senta ele é muito rápido, mas ainda tem uma dificuldade na classificação, pois é difícil acertar a volta. Está sendo difícil mais a classificação do que a corrida. Nesta última corrida na largada já estava lá na frente. Devemos dar tempo a ele.

    (05:29:35) JVS: Emerson, vi um vídeo no youtube do George Harrison cantando para você. Qual era o seu nível de amizade com ele?

    (05:48:21) Emerson Fittipaldi: JVS, ele era amigo meu de muitos anos. Quando eu abandonei as pistas ele fez um vídeo que foi muito legal. Nossas famílias conviviam, ele foi uma pessoa espetacular.

    (05:30:04) alm: Emerson na sua época pilotar não era preciso ter + braço do que hoje?

    (05:49:56) Emerson Fittipaldi: alm, é difícil de se comparar. Eu sempre falo que tive muita chance, muita sorte em minha vida. Pilotei os carros de F1 de antes da Segunda Guerra Mundial, 1937-38, eram muito difíceis. Então na minha opinião aqueles pilotos de 1938 eram mais campeões do que os da minha época. Os melhores do mundo hoje se fossem pilotar um carro da minha época teriam que se adaptar a um carro diferente, ao automobilismo diferente, mas têm talento. E se pegassem os pilotos da minha época e colocassem nos carros atuais também seria um páreo duro. Hoje para estar entre os cinco melhores do mundo durante todo o ano o piloto tem que ser muito bom. Na nossa época o piloto dava toda a informação para o engenheiro, tinha que dizer onde melhorar o carro mais do que hoje em dia. É complexa esta resposta.

    (05:39:12) Cesar: gostaria de saber se é verdade que o piloto da Superbike Troy Bayliss estara no Salao da Motocicleta

    (05:51:06) Emerson Fittipaldi: Cesar, ele vai estar correndo, mas vamos trazê-lo no próximo ano. Espero que no ano que vem venha o Casey Stoner no Brasil.

    (05:42:34) serra: Emerson é verdade que neste salao da motorcycle a Honda e a Yamaha nao participaram?

    (05:51:46) Emerson Fittipaldi: serra, ainda não está confirmado, mas terá a participação pela primeira vez da Kawazaki. Terá a Harley, Triumph, Suzuki, as melhores do mundo estarão lá.

    (05:42:43) Buell: Fittipaldi, o que esperar do Salão? Está no nível dos salões internacionais ou é fracocomo o salão duas rodas? Abraço!

    (05:52:29) Emerson Fittipaldi: Buell, será o primeiro, espero que o público goste muito. O mundo da motocicleta estará dentro do salão.

    (05:43:26) TSi-SantoAndré: emerson, boa tarde primeiramente, você acha q um piloto fe F1 alêm de ter essa habilidade inata, precisa de uma coragem tambem fora do normal???

    (05:55:11) Emerson Fittipaldi: TSi-SantoAndré, a habilidade natural é muito importante, ajuda muito. Tem que ter coragem, mas não muita, tem que medi-la, senão passa do limite. Não pode ter medo, mas respeito ao seu limite e ao do carro. Tem que saber até onde andar. Também não pode ser corajoso, tem que ser bem equilibrado em seu limite e no limite do carro e da pista. Na curva tem que estar no limite da aderência do carro. Tem que usar os quatro pneus da maneira correta derrapando nas pistas, sabendo o lugar máximo para frear, a velocidade máxima para entrar e sair da curva. É difícil otimizar toda esta velocidade no limite e não errar. É uma aula de física, mas tem que ser natural. Tem pilotos que superam com treino e conseguem andar muito rápido, treinando muito e se dedicando muito. E tem que ter muita paixão.

    (05:56:27) Moderadora/UOL:

    Bicampeão de F1 comenta atual temporada do esporte e evento de motocicletas que acontece entre 21 e 26 de outubro em São Paulo (crédito: Flavio Florido/UOL)

    (05:43:40) Nick: Sem levar em conta as determinadas epócas em cada um atuou, o que falta aos pilotos brasileiros, atuais e futuros para atingir o nível de um Emerson, Piquet e Sena?

    (05:57:14) Emerson Fittipaldi: Nick, hoje nós temos o Nelsinho, tem o Felipe Massa que pode ser campeão mundial e o Bruno Senna que está no GP2. Sou muito fã deles. Logo o Brasil estará muito bem representado na F1. Tem um piloto na A1 chamado Felipe Guimarães que estará na China dia 9 de novembro que é muito bom. Ele já ganhou de tudo no kart no Brasil. Ele terá uma oportunidade agora. Tem muita gente boa, gente excelente. O Brasil é um celeiro de pilotos.

    (05:43:52) Carlinhos: Voce tem vontade de um dia chegar a competrir profissionalmente com motos?Porque por mim sua carreira ainda esta longa.

    (05:58:52) Emerson Fittipaldi: Carlinhos, a moto foi no começo de minha carreira, agora é um lazer. Todos que gostam de automobilismo gostam de motociclismo. Espero que todos que estejam nos vendo agora possam nos acompanhar no passeio saindo da Praça Pacaembu até o Expo Center Norte neste domingo.

    (05:44:25) Luis/ Interlagos: Emerson queria de Parabenizar o que vc significou para este pais, Quase agora estava assistindo alguns video 1973 que vc ganhou a corrida !! ParaBens!!

    (05:59:03) Emerson Fittipaldi: Luis/ Interlagos, muito obrigado...

    (05:44:41) emerson poa: saiba que meu nome é por VC e tenho a maior honra viu e um grande abraço!!

    (05:59:12) Emerson Fittipaldi: enerson poa, obrigado, meu xará.

    (05:44:43) RENATOTELES/ACRE: OLA EMERSON!! MANDA UM ABRAÇO PRA GALERA DO ACRE!!!!!!!!!!

    (05:59:32) Emerson Fittipaldi: renatoTeles/Acre, espero que no próximo ano vocês venham até aqui para o passeio.

    (05:45:01) alex: eu assisti quando vc ganhou as 500 milahs ,, emocionante

    (05:45:04) alex: manda um abraço sou seu fã por favor

    (05:45:22) alex: ei sou seu fã ,,e gostava muito do cristian o que ele esta fazendo da vida

    (06:00:13) Emerson Fittipaldi: alex, o Christian está correndo de Daytona Prototype, uma categoria nova que estará aqui nas mil milhas em Interlagos.

    (05:45:27) betão: Qual é a perspectiva do mercado de motos de+ de 1000cc no Brasil?

    (06:01:38) Emerson Fittipaldi: betão, está crescendo de uma maneira absurda, tem muita gente querendo curtir motocicleta. As opções no Brasil de escolha de moto têm um nível internacional. Isto dá dando muita opção para o fã de motocicleta grande comprar aqui no Brasil motocicletas financiadas lindas. A moto como curtição é o máximo, outra sensação, o vento batendo no corpo, o contato com a natureza. É diferente de um carro. Mas sempre tem que ter a consciência de segurança.

    (05:45:33) CHICOALVES: FORA O FELIPE MASSA EXISTE ALGUM OUTRO NOME EM POTENCIAL NA F 1?

    (06:02:29) Emerson Fittipaldi: ChicoAlves, o Sebastian Vettel está muito rápido. Tem um potencial muito grande. Está mostrando que é muito equilibrado em uma equipe. Mas o melhor piloto da atualidade é o Fernando Alonso.

    (05:45:36) Junior: Emerson, vc acha que o Bruno Senna ja está preparado para guiar um F1?

    (06:03:29) Emerson Fittipaldi: Junior, falei com ele hoje, adoro falar com ele porque ele é muito dedicado e motivado. Tem uma cabeça muito boa, já está pronto para guiar um F1 e vai superar a falta de experiência com a motivação e dedicação dele.

    (05:45:39) Hafimdsair35: Quando teremos uma equipe de F1 Brasileira????

    (06:05:27) Emerson Fittipaldi: Hafimdsair35, já tivemos e será muito difícil agora com o regulamento atual. Mas não é impossível.

    (06:19:16) Moderadora/UOL:

    Fórmula 1, carreira e a primeira edição do Salão da Motocicleta, que acontece entre 21 e 26 de outubro em São Paulo são temas da conversa com Emerson Fittipaldi (crédito: Priscila Gomes/UOL)

    (05:45:45) Nelson: Emerson muito legal a iniciativa da feira de motociclismo, somente a compra de ingressos q é muito dificil para quem não tem acesso a SP

    (06:06:13) Emerson Fittipaldi: Nelson, pode ser comprado pela internet no site do Salão da Motocicleta (www.salaodamotocicleta.com.br) ou nas revendas Suzuki.

    (05:45:56) Nelson: O q vc espera com a feira de moto a realizar-se entre os dias 21 e 26 deste mês, e futuramente podemos ver Emerson Fitipaldi pilotando uma moto em um grande premio de motocicleta

    (06:07:28) Emerson Fittipaldi: Nelson, eu admiro muito e espero que com esta nova adesão de tanta gente na motocicleta no Brasil possamos descobrir talentos jovens que possam nos representar no Moto GP. Tenho certeza que até um motoboy pode ser uma campeão mundial. Por que não? Existe a possibilidade a qualquer nível.

    (05:51:21) Rogerio MT: Emerson Qual eh o segredo de uma boa pilotagem nas vias urbanas!!!

    (06:10:58) Emerson Fittipaldi: Rogerio MT, primeiro tem que respeitar a si próprio com manutenção boa para não falhar. Também não dar aquelas finas que o motoboy dá andando a 70 ou 80 km/h no corredor entre os carros. Ali se der uma batidinha cai na hora. Tem lugares que não dá para andar rápido. Nas marginais Pinheiros e Tietê acontece todos os dias acidentes terríveis. Temos que ter consciência para não mudar de faixa sem olhar o espelho. Tem que andar em faixas mais para a direita. A motocicleta tem muita agilidade de manobras e às vezes abusam desta agilidade para ultrapassar.

    (05:51:29) Paulo: Você acha injusto os impostos que o governo impõem sobre o preço das motos ???

    (06:11:42) Emerson Fittipaldi: Paulo, é um absurdo o que se paga de imposto no Brasil, tanto de motos como de carros. Deveria-se ter um projeto futuro para diminuir o custo de imposto para motos e carros. Tem que diminuir, assim muita gente terá acesso a motos e carros.

    (05:53:03) Helio: Boa tarde Emmo. Quando vai sair o museu da F-1 com os carros Copersucar? Que saudades desta época......

    (06:12:51) Emerson Fittipaldi: Helio, o automobilismo tem muita história no Brasil. Tem muita história para contar, como a indústria automobilística brasileira. E os carros Copersucar fazem parte desta história. Assim como foi criado o museu do futebol tem que fazer o museu automotivo brasileiro.

    (05:53:49) eder orsi curitiba: comprei um alarme automotivo com sua marca é muito bom voce partiu para essa area tambem ou só usaram sua marca

    (06:13:24) Emerson Fittipaldi: eder orsi curitiba, tenho uma linha de acessórios de primeira linha no Brasil. São feitas pelos melhores fabricantes no Brasil.

    (05:54:01) Manu: Porque FIA é sempre tão rigorosa com o Brasil e os pilotos brasileiros ??

    (06:14:21) Emerson Fittipaldi: Manu, a nossa impressão é essa, mas a FIA está sendo muito rigorosa com a penalização da F1. Tirando com isso a emoção da ultrapassagem. Parte do espetáculo são as ultrapassagens arrojadas.

    (05:54:04) Biel: Grande Emerson tudo bem? Gosto muito de sua carreira (tanto como piloto quanto empresario). quero saber, voce se arrepende em ter montato a sua propria escuderia?

    (06:15:57) Emerson Fittipaldi: Biel, foi um desafio muito grande, um objetivo que tínhamos na época. E foi mal compreendido pela imprensa brasileira, pois se demora anos para começar a dar resultados e em nosso melhor ano perdemos o patrocínio. O carro na pista vem do potencial humano que formou aquilo. É muito difícil juntar este potencial em um grupo. São pessoas que valem muito porque começam pela paixão e dedicação para criar experiência no automobilismo. Então depende muito da capacidade humana.

    (05:57:23) newton: Existe idade limite,prá ser piloto de Formula 1?

    (06:16:53) Emerson Fittipaldi: newton, não existe. O meu último ano na indy foi aos 49 anos, eu curtia muito. Se o Schumacher resolver voltar hoje para a F1, ele vai ganhar o grande prêmio. Assim como Rubinho.

    (05:57:25) Blackout: Qual a moto que é a promessa do salão?

    (06:17:48) Emerson Fittipaldi: Blackout, será a Ducati, mas tem muita moto linda. A Kawazaki Vulcan será uma das grandes atrações também.

    (05:57:36) Karosso: Prazer Emerson, sou de Santos e curto motos custom, gostaria de saber de voce se a Triumph trara a Rocket iii para o salao

    (06:04:40) Karosso: boa tarde Emerson, sou do Moto Clube Bodes do Asfalto, somos em mais de 2800 membros no Brasil e temos facçoes na america do Sul,Europa e Japao, pois bem viajamos muito de motos, e no Brasil estamos muito deficitarios de motos cruiser, custom, gostaria de saber sobre alguma novidade no segmento Custom para o ano que vem

    (06:19:02) Emerson Fittipaldi: Karosso, espero que vocês venham para o Salão da Motocicleta. A Triumph estará no salão assim como as customizadas.

    (06:20:19) Emerson Fittipaldi: Obrigado para todos, um abraço. Até o passeio do próximo domingo no Pacaembu.

    (06:21:18) Moderadora/UOL: O Bate-papo UOL agradece a presença de Emerson Fittipaldi e de todos os internautas. Até o próximo!

    Hospedagem: UOL Host